Surto, epidemia, pandemia e endemia: entenda qual é a diferença entre eles

Surto: acontece quando há o aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica. Para ser considerado surto, o aumento de casos deve ser maior do que o esperado pelas autoridades. Em algumas cidades (como Itajaí-SC), a dengue é tratada como surto (e não como epidemia), pois acontece em regiões específicas (um bairro, por exemplo).

Epidemia: a epidemia se caracteriza quando um surto acontece em diversas regiões. Uma epidemia a nível municipal acontece quando diversos bairros apresentam uma doença, a epidemia a nível estadual acontece quando diversas cidades têm casos e a epidemia nacional acontece quando há casos em diversas regiões do país. Exemplo: no dia 24 de fevereiro, vinte cidades haviam decretado epidemia de dengue.

Pandemia: em uma escala de gravidade, a pandemia é o pior dos cenários. Ela acontece quando uma epidemia se espalha por diversas regiões do planeta. Em 2009, a gripe A (ou gripe suína) passou de epidemia para pandemia quando a OMS começou a registrar casos nos seis continentes do mundo.  A aids, apesar de estar diminuindo no mundo, também é considerada uma pandemia. 

Endemia: a endemia não está relacionada a uma questão quantitativa. Uma doença é classificada como endêmica (típica) de uma região quando acontece com muita frequência no local. As doenças endêmicas podem ser sazonais. A febre amarela, por exemplo, é considerada uma doença endêmica da região Norte do Brasil.

Fonte: Hospital São Lucas

Solidariedade em forma de Campanha: Quarentena Solidária

Campanha Quarentena Solidária

Com a suspensão de todos eventos públicos e cancelamentos dos alvarás para nossas ações também foram suspensos.

Nossos voluntários da área da saúde foram para a frente dessa batalha contra o coronavirus (COVID-19).

Como resultado disso nossa preocupação com as pessoas e animais que atendemos todos os meses aumentou ainda mais!

Impossibilitados de “ficar em quarentena” ou em “isolamento social”, as pessoas e animais em situação de rua ficaram ainda mais vulneráveis!

Desse modo ficaram sem meios de se alimentarem, cuidarem sua saúde e de seus animais e também ficaram mais expostos a fúria desse vírus!

Do mesmo modo, médicos e outros porfissionais da saúde também se encontram numa situação de vulnerabilidade pois são eles os soldados da linha de frente que lutam para nos salvar a todos!

Resolvemos então lançar uma campanha para continuar nosssa missão!

Nesse sentido unimos forças com a Associação dos Estudantes de Medicina de São Paulo (AEMED-SP) e com nosso parceiro de ações o “Moto Clube Insanos-MC” para fazer toda a logística de estocagem e distribuição de tudo que for adquirido na campanha.

A Campanha QUARENTENA SOLIDÁRIA na plataforma Kickante irá nos ajudar a continuar nossa missão da maneira que é possível neste momento.

Comprando e distribuindo kits de higiene, roupas, alimentos e tudo mais que for necessário para as pessoas em situação de rua, seus animais e também para nossos colegas e voluntários da área da saúde em diversas cidades no Brasil.

UNAM-SE A NÓS NESSA LUTA! DOEM AGORA! 

É FÁCIL E RÁPIDO! QUALQUER VALOR VAI AJUDAR MUITO!

https://www.kickante.com.br/campanhas/quarentena-solidaria-0

#quarentenasolidariamedicosdomundo #quarentenasolidaria #quarentena #coronavirus #amoraoproximo #medicosdomundo #medicosderua #juntossomosmaisfortes #virus #insanosmc #aemedsp

AVISO NACIONAL OFICIAL

Para acatar com as medidas de cancelamento de eventos públicos sendo impostas pelo governo em todo território nacional e amplamente divulgados pela midia, emitimos este aviso:

O Novo Coronavírus atinge APENAS humanos.

ATENÇÃO!

O Novo Coronavírus atinge APENAS humanos.

NÃO EXISTEM EVIDÊNCIAS de que cães e gatos são infectados e portadores da COVID-19, portanto, eles não transmitem o vírus!

Se for passear com os seus animais, procure locais abertos e sem muitas pessoas .

Ao retornar para casa, limpe as patas e os pelos do animal com água e xampu para animais ou lenços umedecidos.

Não abandone a sua melhor companhia, isso não ajudará a prevenir a COVID-19, além de ser uma irresponsabilidade moral e legal.

 

#medicosdomundo #veterinariosderua #saudeanimal #naoabandonemseuspets

ALERTA A POPULAÇÃO

INFORMAÇÕES IMPORTANTES A SEREM COMPARTILHADAS

Ação de Março em São Paulo

A ação do dia 8 de março no Pateo do Colégio em São Paulo foi maravilhosa!

Tivemos um movimento grande de voluntários e de pessoas e animais sendo atendidos.

São dias assim que fazem nossa organização tão especial e tão cheia de amor!!

No próximo domingo a acotecerá a ação de Curitiba, na Praça Tiradentes.

 

 

Médicos do Mundo nos USA

Entre Novembro de 2019 e Fevereiro de 2020 estivemos ativos abrindo parcerias e conecções com entidades de medicina de rua nos estados da Virginia, Massachussetts e Texas, nos Estados Unidos.

Os contatos e conversas evoluiram para o desenho de parcerias cintificas e operacionais que estão sendo desenhadas e deverão ser colocadas em pratica ainda este ano.

Em Fevereiro de 2020 houve uma reunião do Medicos do Mundo na Duffy Clinic, em Cape Cod, Massachussetts. A Duffy Clinic é uma clinica de atendimento de pessoas em situação de rua , localizada em Hyannis, em Cape Cod. A clínica tem uma linda sede com diversos profissionais e departamentos e atende pessoas em situação de vulnerabilidade social de toda a regição.

A Duffy Clinic nos recebeu para um almoço em sua sede onde trocamos informações e experiencias durante cerca de 2 horas no intuito de fazer dessa conecção uma porta aberta para o inicio de um trabalho de colaboração entre a DUFFY Clinic e o Médicos do Mundo!

Assim vamos caminhando e abrindo portas e fazendo coneções pelo mundo!

Onde há necessidade e boa votade há esperança!

Equipe Médicos do Mundo

Fotos: Christina Wiseman – Marketing Communications Manager at Duffy Clinic

SOBRE A DUFFY CLINIC

No final dos anos 80, uma enfermeira de saúde comunitária da “Visiting Nurse Association” começou a fazer “visitas domiciliares” aos convidados no abrigo da NOAH em Hyannis. Ela usou um armário no abrigo para armazenar suprimentos básicos de primeiros socorros. Logo, uma pequena clínica começou, fornecendo serviços básicos como pressão arterial, cuidados com os pés, ajuda com medicamentos e tratamento de cortes e contusões.Eventualmente, mais espaço no abrigo foi convertido em uma sala de exames e uma área de espera, e foram estabelecidos horários regulares para a clínica. Médicos voluntários foram recrutados. Os médicos de cuidados primários e especializados, podólogos e farmacêuticos começaram a ajudar nas clínicas noturnas duas vezes por semana.

Hoje, com um orçamento anual de mais de US $ 7 milhões, hoje a Duffy é a principal prestadora de serviços de saúde do Condado de Barnstable para adultos sem teto e tornou-se um participante ativo e um respeitado líder de esforços em toda a comunidade para restaurar a saúde e reconstruir a vida das pessoas que enfrentam ou correm riscos. de sem-teto em Cape Cod.

Sua equipe inclui médicos, enfermeiros, prestadores de serviços psiquiátricos, enfermeiros, terapeutas clínicos licenciados, conselheiros de abuso de substâncias, gerentes de casos e equipe administrativa.

AVISO

Médicos de Rua: minha primeira experiência

Médicos de Rua: minha primeira experiência

Médicos de Rua: minha primeira experiência

Há seis meses tomei conhecimento de um projeto social de Curitiba chamado Médicos de Rua. Não dei muita atenção devido à correria das semanas de prova. Passado algum tempo recebi o convite novamente através de colega em um grupo do whatsapp, despertando a vontade e curiosidade de conhecer como funciona o projeto, e então me inscrevi antes que perdesse o “timing” novamente. Comprei meu kit, colete e crachá e comecei a me preparar para a minha primeira ação.

No sábado, dia 19 de outubro, dia que antecedeu a ação,  participei de uma oficina para entender mais sobre o projeto, qual seria a minha função e como tudo iria acontecer no dia seguinte. Para minha surpresa, compreendi que o projeto vai muito além de apenas médicos de rua. São muitas áreas de assistências envolvidas como psicologia, direito, veterinária, enfermagem entre outros.

No domingo comecei a minha participação no projeto cedo para ajudar na montagem da estrutura. Fiquei tranquila, pois os participantes novatos são acompanhados por veteranos do projeto, o que torna mais fácil de entender como toda a organização é feita.

O paciente que chega ao local segue um fluxo de atividades para que saia com o melhor acompanhamento possível. O fluxo começa com uma avaliação dos psicólogos, logo depois o paciente é encaminhado para a equipe de enfermagem que irá fazer a coleta de dados vitais e uma breve entrevista. Na sequência o paciente passa pelos nutricionistas até chegar a nós, acadêmicos de medicina, que somos responsáveis pela anamnese.

Meu primeiro paciente chegou apenas interessado na sua necessidade momentânea em adquirir documentação e roupas doadas. Ele tinha acabado de conseguir um emprego e não tinha o que vestir para ir trabalhar. Independente do desejo principal dele, iniciei a anamnese e aos poucos fui conquistando abertura e confiança para que ele contasse informações mais pessoais e acontecimentos passados.

Concluída a anamnese encaminhei-o para a médica responsável com as informações necessárias. Ela fez os exames necessários e o encaminhou para fazer alguns testes relacionado a doenças sexualmente transmissíveis com a equipe de biomédicos. Durante todo os momentos estive acompanhando o paciente.

Em seguida por recomendação médica, o paciente também passou por outros atendimentos no mesmo local: foi encaminhado para os fisioterapeutas, onde foi ensinado sobre alguns exercícios; para os farmacêuticos para pegar alguns remédios prescritos; para os dentistas com o objetivo de receber os devidos tratamentos dentários; e, por último, para a equipe jurídica para finalmente dar início ao processo para conseguir sua documentação.

Em meio a esse circuito, que levou em torno de 20 minutos, ainda conseguimos os resultados dos exames e o encaminhamento e as orientações necessárias da médica para o tratamento em uma UBS.

Diante essa primeira experiência no Médicos de Rua consegui enxergar que nesse contexto social, em que vivem as pessoas em situação de rua, podemos oferecer muito mais que recursos provenientes de ações de caridade, como a atenção e empatia pelo próximo que são fundamentais para que possamos criar um vínculo médico-paciente.

Estou ansiosa pelas próximas ações para vivenciar e aprender com novas experiências. Também aguardo o retorno desse meu primeiro paciente.

“ Nós precisamos de mais pessoas dedicadas e com amor, porque amor é o que move e o exemplo é o que arrasta as pessoas”. – Dr. Mário Guimarães, fundador

Por Regiane Matias

Fonte: Academia Medica

Grupo de ONGs faz ação de Natal para pessoas em situação de rua